BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Capela da Santíssima Trindade em Itaici

Crédito da imagem e texto: Terra Boa (blog católico)



O mural da Ss. Trindade do artista Claudio Pastro (1948-2016), na capela do 2º andar de Vila Kostka, Itaici (SP) foi pintado em 1990, e ocupa quase 20 metros quadrados de extensão. Foi feito diretamente sobre a massa, com técnicas de afresco, onde a tinta (pigmentos naturais, terra etc.) se mistura com a própria massa, penetrando-a por alguns milímetros.

O mural revela traços ondulatórios, alongando, desse modo, o lugar quadrado da capela. As mesmas curvas flutuantes convidam-nos a ir além do espaço onde nos encontramos e entrar no mistério de Deus... As curvas e as cores descansam o nosso olhar, trazem paz interior e fazem lembrar o deserto, lugar bíblico da provação e da revelação.

No deserto o homem se despoja de todas as suas mentiras. Para que as máscaras? A quem seduzir ou enganar?... Contudo, Israel foi tentado no deserto e Jesus também. Nosso “eu” mais profundo é terra solitária, por onde vagueiam anjos e demônios, o bem e o mal.

No deserto podemos encontrar também o Senhor. E adorá-lo.  

O artista, C. Pastro, não fechou o horizonte do que contemplamos, deixando espaços sem pintar. Esses vãos induzem-nos a superar o que meramente vemos. As ondulações das dunas ampliam o nosso espaço de visão exterior e interior. Tudo se orienta, na fé, para o mistério, para o encontro Daquele que sempre vem.

Observe o movimento cósmico que nos convida a entrar no mistério de Deus: o mundo, o deserto, as pessoas, o Cordeiro... Tudo está em movimento, porque a vida é sair de si mesmo, dar-se.

O tema da Santíssima Trindade na arte vem da tradição Copta e Siríaca. A Trindade não é fácil de ser representada. Alguns teólogos caíram em diversas heresias ao falar da Trindade. Vejamos algumas:

Uns, para assegurar a fé num único Deus, acabaram negando a Trindade das pessoas (Pai, Filho e Espírito Santo). Outros, destacando a diversidade das três pessoas da Santíssima Trindade, acabaram negando a unidade.

O artista representou a Trindade na figura de três anjos peregrinos. O anjo, na Sagrada Escritura, representa muitas vezes, o mesmo Deus na sua manifestação exterior. A Trindade é mistério de comunhão, geradora de vida. O Pai não é o Filho, nem o Espírito Santo é o Pai. São diferentes nas suas relações interiores e exteriores. Mas uma coisa é certa: onde está um sempre estão os outros dois. A Trindade é verdadeira comunidade.

No mural, o Pai está no meio, como aquele que gera. Seu olhar e suas mãos indicam o Filho muito amado (pessoa e Cordeiro).

O Filho é imagem do Pai (“quem me vê, vê o Pai”... Jo 14,9) e, por isso, sua mão aponta o Cordeiro imolado (Ele mesmo!) e a chaga dele, de onde vão brotar a água e o sangue, isto é, o Batismo e a Eucaristia. Jesus olha sempre para nós, pois é o único revelador do Pai. É ele quem revela o mistério da Santíssima Trindade. O Filho segura, na outra mão, o cajado de Pastor.

O Espírito Santo é o doador de todos os dons à Igreja. Ele revela o mistério e, ao mesmo tempo, nos convida a entrar nele. Olha para o mundo. O seu cajado está solto, porque Ele o colocou nas mãos dos pastores que hoje nos guiam, os bispos.

As cores usadas nos três anjos são o azul, o vermelho e o amarelo, cores do fogo. A divindade é luz que atrai e purifica.

No centro, a mesa com o Cordeiro de pé e imolado, o Alfa e o Omega, aquele que é, que era, e que vem (Ap 1, 8).

No meio, a árvore da vida, que brota do Pai, símbolo da eternidade de Deus. Algumas das suas folhas são amarelas... Esses mesmos traços amarelos se repetem nas asas e no resplendor dos três personagens e nos faz lembrar da promessa feita outrora a Abraão:Olha para as estrelas,  assim será tua posteridade... (Gn 15, 5).

Todos estamos na tenda, a capela é a tenda, com Abraão e Sara. Observe as estacas da tenda nos dois extremos do mural. Abraão e Sara representam a humanidade toda. O homem e a mulher aproximando-se do mistério de Deus.

Alguns se aproximam do mistério de Deus e, ajoelhando-se, o adoram, como Abraão. Outros, como Sara, apenas escutam e pouco entendem.

É Deus quem toma a iniciativa de se aproximar de nós, pois foram os três anjos, que vieram ao encontro de Abraão, como peregrinos que caminham para onde nós estamos. Deus quer se aproximar também de nós. Contudo, podemos acolhê-lo ou não; crer, como Abraão, ou rir, como Sara. Dentro de nós habita um Abraão ou uma Sara?

A fé rejuvenesce. Perceba como o artista fez um Abraão jovem. Adorando, nos unimos a Deus e aos irmãos. Formamos também comunidade.

Que a contemplação do belo e do Santo faça brotar a imagem de Deus Pai, Filho e Espírito Santo em cada um de nós.

Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES

Quantas pessoas precisam receber um órgão doado?

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO