BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

FUNDAÇÃO PRÓ-MEMÓRIA PROMOVERÁ OFICINAS GRATUITAS DURANTE O ANO DE 2017

As fichas de inscrições estarão disponíveis no site da Fundação

A Prefeitura por meio da Fundação Pró-Memória e em parceria com o Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas na Unicamp, promoverão oficinas gratuitas da Escola do Patrimônio durante o ano de 2017. 

Para participar basta preencher a ficha de inscrição disponível no site da fundação,www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br/, e encaminhá-la para o e-mail escoladopatrimonio@promemoria.indaiatuba.sp.gov.br. O documento estará à disposição quinze dias corridos antes de cada curso. Maiores informações pelo telefone 3875-8383 ou diretamente no Museu Casarão Pau Preto.

A Escola do Patrimônio é um projeto realizado em parceria entre Fundação Pró-Memória e o Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas na UNICAMP desde 2014, que visa discutir questões referentes ao patrimônio documental, cultural e ambiental e sua preservação por meio de oficinas gratuitas destinadas à comunidade.

OFICINA: PATRIMÔNIO INDUSTRIAL PAULISTA
Professora: Dra. Denise Geribello (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo - USP)
Data: 24 de junho
Horário: 9h às 13h - 14h às 16h
Local: Tulha – Casarão Pau Preto (Rua Pedro Gonçalves, 477 Jardim Pau Preto, Indaiatuba/SP)
Ementa: Conceito de patrimônio industrial; trajetória da preservação de bens industriais com foco em exemplares paulistas; possibilidades de apropriação de bens industriais.
Atividade prática: Visita ao Museu Ferroviário de Indaiatuba.
Inscrições a partir do dia: 09/06/2017

OFICINA: AS FORMAS DA ARQUITETURA RURAL REGIONAL - CARACTERÍSTICAS E TRANSFORMAÇÕES ENTRE OS SÉCULOS XVIII E XIX (ITU E INDAIATUBA)
Professora: Dra. Milena Fernandes Maranho (Historiadora na área de Brasil Colônia - UNICAMP)
Data: 29 de julho
Horário: 9h às 12h
Local: Tulha – Casarão Pau Preto (Rua Pedro Gonçalves, 477 Jardim Pau Preto, Indaiatuba/SP)
Ementa: O principal objetivo deste curso é apresentar uma reflexão sobre as transformações da arquitetura rural da região que compreende as cidades de Itu e Indaiatuba entre os meados do século XVIII e as primeiras décadas do século XIX. A partir do estudo dos principais materiais, técnicas construtivas e partidos arquitetônicos de casas bandeiristas de Itu (Chácara do Rosário c.1756) e de Indaiatuba (sede da Fazenda Engenho d´água- c.1770) é possível compará-las com exemplares de casas rurais posteriores, das primeiras décadas do século XIX (Chácara Portela – c. 1840-60 em Itu e Casarão do Pau Preto – c. 1820 em Indaiatuba), marcando suas especificidades, semelhanças, transformações nas plantas e modos de morar. Apesar de ainda manterem várias técnicas construtivas de períodos anteriores, muitos exemplares do século XIX, incluindo os citados, demonstram influências da arquitetura urbana, indicando alterações presentes desde o início dos oitocentos.
Atividade prática: Visita técnica ao Casarão Pau Preto
Inscrições a partir do dia: 14/07/2017

OFICINA: PATRIMÔNIO INDUSTRIAL PAULISTA
Professora: Ms. Thais J. Svicero (Mestre em História - UNESP)
Data: 29 de julho
Horário: 13h às 16h
Local: Tulha – Casarão Pau Preto (Rua Pedro Gonçalves, 477 Jardim Pau Preto, Indaiatuba/SP)
Ementa: Esta oficina tem como objetivo apresentar o conceito de patrimônio documental analisando os arquivos e centros de documentação e memória do estado de São Paulo como lugares de importância para o patrimônio histórico cultural e de gestão da informação. Como atividade prática analisaremos por meio da paleografia alguns documentos históricos presentes no acervo do Arquivo Público Municipal “Nilson Cardoso de Carvalho” / Fundação Pró-memória de Indaiatuba.
Atividade prática: Leitura e análise de documentos históricos.
Inscrições a partir do dia: 14/07/2017

OFICINA: A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO URBANO DO PRIMEIRO OESTE PAULISTA
Professor: Dr. Francisco Dias de Andrade (Doutor em História da Arte – UNICAMP)
Data: 26 de agosto
Horário: 9h às 13h - 14h às 16h
Local: Tulha – Casarão Pau Preto (Rua Pedro Gonçalves, 477 Jardim Pau Preto, Indaiatuba/SP)
Ementa: A oficina visa apresentar algumas noções e elementos urbanísticos e arquitetônicos básicos do passado da região compreendida por cidades como Jundiaí, Campinas, Itu, Indaiatuba, Sorocaba, Piracicaba, entre outras. No primeiro bloco temático se abordará algumas questões comuns à todas as cidades da região. Dentre elas, pode-se citar a influência da legislação colonial e imperial concernente ao solo urbano, as transformações decorridas da mudança da malha viária a partir do fim do séc. XIX, a importância dos imigrantes para a consolidação da vida urbana, o processo de criação de novas centralidades urbanas e seu impacto no “centro histórico” e o modo como essas dinâmicas foram (ou deixaram de ser) contempladas pelas políticas de preservação cultural.  No segundo bloco, pretende-se apresentar algumas diretrizes para pesquisadores interessados na história e na preservação urbana regional. Intenta-se encerrar a oficina com um roteiro de visita pelo centro histórico de Indaiatuba.
Atividade prática: Visita pelo centro histórico de Indaiatuba
Inscrições a partir do dia: 11/08/2017

OFICINA: EXPERIÊNCIAS PAULISTAS EM EDUCAÇÃO PATRIMONIAL
Professor: Ms. Fernando Siviero
Data: 23 de setembro
Horário: 9h às 13h - 14h às 16h
Local: Tulha – Casarão Pau Preto (Rua Pedro Gonçalves, 477 Jardim Pau Preto, Indaiatuba/SP)
Ementa: Atualmente, muito se fala no campo da preservação do patrimônio cultural em Educação Patrimonial. Cada vez mais, as leis e as políticas públicas apontam a necessidade de projetos e ações educativas em qualquer intervenção preservacionista. Governo, ONGs e empresas disputam significados e práticas da educação patrimonial.
Em 2014, o Iphan publicou "Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos". Nesse breve livro, encontra-se uma perspectiva histórica do assunto na instituição e algumas orientações para a prática educativa. Apesar disso, observa-se que esse campo possui um acúmulo de experiências muito distintas em todo território nacional e ainda não possui sistematização. Nesse curso vamos estudar o histórico da educação patrimonial no Iphan e conhecer diferentes conceitos, paradigmas e ações educacionais.
Além disso, teremos a oportunidade de analisar algumas experiências nas quais a preservação e a educação patrimonial caminham em conjunto, criando situações e perspectivas que potencializam a função sociocultural dos bens culturais.
Inscrições a partir do dia: 08/09/2017

OFICINA: O BARROCO PAULISTA
Professor: Doutorando Mateus Alves Silva (Doutorando em História - UNICAMP)
Data: 21 de outubro
Horário: 9h às 13h - 14h às 16h
Local: Tulha – Casarão Pau Preto (Rua Pedro Gonçalves, 477 Jardim Pau Preto, Indaiatuba/SP)
Ementa: A formação de São Paulo e o desenvolvimento artístico; Particularidades do Barroco Paulista; Arquitetura religiosa e civil; Escultura e talha barroca; Pintura e decoração religiosa.
Atividade prática: Exercícios de análise de obras de arte.
Inscrições a partir do dia: 06/10/2017

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Clube de Malha Santa Rosa - Documentário com a história do clube desde 1963

Clube de Malha Santa Rosa. 

Um jogo, uma sociedade, uma tradição. 

Um documentário sobre a história do Clube e o jogo de malha na cidade de Indaiatuba, desde 1963.

Para assistir o documentário,clique aqui



        Todos os direitos reservados para o autor. 

Cópia ou reprodução sujeito as penas da Lei nº 9.610 de Direitos Autorais.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Capela da Santíssima Trindade em Itaici

Crédito da imagem e texto: Terra Boa (blog católico)



O mural da Ss. Trindade do artista Claudio Pastro (1948-2016), na capela do 2º andar de Vila Kostka, Itaici (SP) foi pintado em 1990, e ocupa quase 20 metros quadrados de extensão. Foi feito diretamente sobre a massa, com técnicas de afresco, onde a tinta (pigmentos naturais, terra etc.) se mistura com a própria massa, penetrando-a por alguns milímetros.

O mural revela traços ondulatórios, alongando, desse modo, o lugar quadrado da capela. As mesmas curvas flutuantes convidam-nos a ir além do espaço onde nos encontramos e entrar no mistério de Deus... As curvas e as cores descansam o nosso olhar, trazem paz interior e fazem lembrar o deserto, lugar bíblico da provação e da revelação.

No deserto o homem se despoja de todas as suas mentiras. Para que as máscaras? A quem seduzir ou enganar?... Contudo, Israel foi tentado no deserto e Jesus também. Nosso “eu” mais profundo é terra solitária, por onde vagueiam anjos e demônios, o bem e o mal.

No deserto podemos encontrar também o Senhor. E adorá-lo.  

O artista, C. Pastro, não fechou o horizonte do que contemplamos, deixando espaços sem pintar. Esses vãos induzem-nos a superar o que meramente vemos. As ondulações das dunas ampliam o nosso espaço de visão exterior e interior. Tudo se orienta, na fé, para o mistério, para o encontro Daquele que sempre vem.

Observe o movimento cósmico que nos convida a entrar no mistério de Deus: o mundo, o deserto, as pessoas, o Cordeiro... Tudo está em movimento, porque a vida é sair de si mesmo, dar-se.

O tema da Santíssima Trindade na arte vem da tradição Copta e Siríaca. A Trindade não é fácil de ser representada. Alguns teólogos caíram em diversas heresias ao falar da Trindade. Vejamos algumas:

Uns, para assegurar a fé num único Deus, acabaram negando a Trindade das pessoas (Pai, Filho e Espírito Santo). Outros, destacando a diversidade das três pessoas da Santíssima Trindade, acabaram negando a unidade.

O artista representou a Trindade na figura de três anjos peregrinos. O anjo, na Sagrada Escritura, representa muitas vezes, o mesmo Deus na sua manifestação exterior. A Trindade é mistério de comunhão, geradora de vida. O Pai não é o Filho, nem o Espírito Santo é o Pai. São diferentes nas suas relações interiores e exteriores. Mas uma coisa é certa: onde está um sempre estão os outros dois. A Trindade é verdadeira comunidade.

No mural, o Pai está no meio, como aquele que gera. Seu olhar e suas mãos indicam o Filho muito amado (pessoa e Cordeiro).

O Filho é imagem do Pai (“quem me vê, vê o Pai”... Jo 14,9) e, por isso, sua mão aponta o Cordeiro imolado (Ele mesmo!) e a chaga dele, de onde vão brotar a água e o sangue, isto é, o Batismo e a Eucaristia. Jesus olha sempre para nós, pois é o único revelador do Pai. É ele quem revela o mistério da Santíssima Trindade. O Filho segura, na outra mão, o cajado de Pastor.

O Espírito Santo é o doador de todos os dons à Igreja. Ele revela o mistério e, ao mesmo tempo, nos convida a entrar nele. Olha para o mundo. O seu cajado está solto, porque Ele o colocou nas mãos dos pastores que hoje nos guiam, os bispos.

As cores usadas nos três anjos são o azul, o vermelho e o amarelo, cores do fogo. A divindade é luz que atrai e purifica.

No centro, a mesa com o Cordeiro de pé e imolado, o Alfa e o Omega, aquele que é, que era, e que vem (Ap 1, 8).

No meio, a árvore da vida, que brota do Pai, símbolo da eternidade de Deus. Algumas das suas folhas são amarelas... Esses mesmos traços amarelos se repetem nas asas e no resplendor dos três personagens e nos faz lembrar da promessa feita outrora a Abraão:Olha para as estrelas,  assim será tua posteridade... (Gn 15, 5).

Todos estamos na tenda, a capela é a tenda, com Abraão e Sara. Observe as estacas da tenda nos dois extremos do mural. Abraão e Sara representam a humanidade toda. O homem e a mulher aproximando-se do mistério de Deus.

Alguns se aproximam do mistério de Deus e, ajoelhando-se, o adoram, como Abraão. Outros, como Sara, apenas escutam e pouco entendem.

É Deus quem toma a iniciativa de se aproximar de nós, pois foram os três anjos, que vieram ao encontro de Abraão, como peregrinos que caminham para onde nós estamos. Deus quer se aproximar também de nós. Contudo, podemos acolhê-lo ou não; crer, como Abraão, ou rir, como Sara. Dentro de nós habita um Abraão ou uma Sara?

A fé rejuvenesce. Perceba como o artista fez um Abraão jovem. Adorando, nos unimos a Deus e aos irmãos. Formamos também comunidade.

Que a contemplação do belo e do Santo faça brotar a imagem de Deus Pai, Filho e Espírito Santo em cada um de nós.

Amém!

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Oficina do Patrimônio no Casarão - Patrimônio Industrial dia 24 de junho

Já estão abertas as inscrições para a primeira oficina da Escola do Patrimônio de 2017.



Basta acessar o site da Fundação http://www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br/ e na página principal fazer sua inscrição.




Qualquer dúvida, favor entrar em contato pelo telefone (19)3875-8383 (Museu Casarão Pau Preto).




quinta-feira, 8 de junho de 2017

67º Aniversário do Dom José

Aconteceu no início da manhã de hoje, dia 08/06/2017, no busto de Dom José de Camargo Barros (que é um patrimônio público tombado), uma singela homenagem para o patrono da escola, com aclamações dos presentes.














































sexta-feira, 2 de junho de 2017

Ministério Público é obrigado a escalar historiador para preservar memória

O Conselho Nacional do Ministério Público determinou que cada MP estadual e todos os ramos do MP da União criem memoriais institucionais e contem com pelo menos um historiador para atuar nesse setor, com dedicação exclusiva. A regra faz parte do Plano Nacional de Gestão de Documentos e Memória do Ministério Público, aprovado em janeiro e publicado no dia 22 de fevereiro deste ano.
De acordo com a Resolução 158/2017, o cargo de historiador deve ser inserido no quadro de cada instituição. A norma abre brecha para que os memoriais tenham temporariamente servidores “com formação afim”, mas determina que o profissional da área, quando inexistente, deve ser contratado logo por concurso público.
Esse espaço terá o papel de pesquisar a trajetória da instituição, resgatar documentos de valor histórico, evitar ameaças a esses bens, catalogar peças e documentos, publicar obras e registrar depoimentos internos, implantando programa de história oral, entre outras tarefas. Caberá a um membro do MP comandar o memorial.
Cada MP terá ainda 90 dias para criar sua própria Comissão Permanente de Avaliação de Documentos, para garantir que o plano nacional saia do papel e fixar como será feita a avaliação, a destinação, o armazenamento e o acesso ao material preservado. A eliminação de qualquer documento interno, a partir de agora, só será possível depois que a equipe analisá-lo.
Na esfera federal, será criado um colegiado — o Comitê Gestor do plano (Coplaname), vinculado à Presidência do CNMP —, para definir como gerir esse patrimônio, dar orientação normativa e estimular a capacitação técnica para esse tipo de serviço.
Teletrabalho
Também foi publicada em 22 de fevereiro a Resolução 157 do CNMP, que regulamenta o trabalho a distância no Ministério Público e no próprio conselho. Essa forma alternativa é facultativa e só vale para servidores cujas tarefas desempenhadas possam ser medidas, como aprovado pelo Plenário em janeiro.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

29 de maio - Dia do Geógrafo - Biblioteca Nacional

Dia 29 de maio comemora-se o dia do Geógrafo, profissão regulamentada pela Lei n° 6.664, de 26/6/79, e Decreto n°85.138, de 15/12/80, e pela Lei n° 7.399, de 04/11/85, e Decreto n° 92.290, de 10/01/86. No dia 29 de maio também se comemora o aniversário de fundação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), bem como o dia do Estatístico.

COBERTURA-1359-29-MAIO-DIA-GEOGRAFO.JPG

Carta corographica da capitania do Ryo de Janeyro, capital dos estados do Brasil / Por Francisco João Roscio, 1777. Coleção: Benedicto Ottoni.
Carta corographica da capitania do Ryo de Janeyro, capital dos estados do Brasil / Por Francisco João Roscio, 1777. Coleção: Benedicto Ottoni.
A palavra Geografia é resultante da junção dos radicais gregos "geo" e "graphos", significando, respectivamente, “Terra” e “escrever”. Geografia é, portanto, o estudo científico da superfície da Terra, com o objetivo de descrever e analisar a variação espacial de fenômenos físicos, biológicos e humanos. (Fonte IBGE)


Para homenagear os profissionais da área, a Fundação Biblioteca Nacional disponibiliza por meio do Setor de Documentos Cartográficos, links para alguns mapas históricos que ajudam a contar um pouco da história do Brasil e ressaltam a importância dos Geógrafos e da cartografia:
Acesso ao acervo cartográfico da Fundação Biblioteca Nacional:

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Oficinas da Fundação Pró-Memória na 1ª Semana Nacional de Arquivos

A Fundação Pró-Memória de Indaiatuba, por meio do Arquivo Público Municipal “Nilson Cardoso de Carvalho” estará participando da 1ª Semana Nacional de Arquivos lançada pelo Arquivo Nacional e pela Fundação Casa de Rui Barbosa. 

A data escolhida para a realização deste evento foi a semana em que se celebra o Dia Internacional dos Arquivos: 09 de junho, entre os dias 05 e 10 de junho. Diversas instituições arquivísticas, centros de memória e documentação e demais entidades que abrigam serviços de arquivos do Brasil estarão promovendo eventos de cunho acadêmico ou artístico-cultural durante a semana. 

O intuito desta ação é abrir os arquivos para a sociedade e divulgar o trabalho de salvaguarda do patrimônio documental desenvolvido no país. Entre as atividades do Arquivo Público Municipal “Nilson Cardoso de Carvalho” estarão a abertura da exposição no dia 05 de junho sobre o Arquivo Público Municipal contando a sua história, seu método de trabalho e alguns documentos presentes em seu acervo; a “Oficina de Conservação e Pequenos Reparos em Papel para a comunidade indaiatubana e a oficina “Documentos históricos: Descobrindo o Passado. Roteiro para trabalho com documentos históricos e sala de aula” para alunos e professores das escolas participantes. 

As oficinas serão gratuitas!

Para participar da Oficina de Conservação e Pequenos Reparos em Papel nos dias 06 ou 07 de junho de 2017 com a responsável pela conservação de documentos do Arquivo Público Municipal "Nilson Cardoso de Carvalho" Raquel Cristina Mariotto Gatolini é necessário fazer a inscrição no site da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba: www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br e enviar a ficha devidamente preenchida para o e -mail: arquivomunicipal@promemória.indaiatuba.sp.gov.br ou no próprio Museu Municipal Casarão Pau Preto a partir de hoje :

A programação e a ficha de Inscrição para a participação na “Oficina de Conservação e Pequenos Reparos em Papel” poderá ser acessada no site da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba: www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br e a programação completa no site do evento: http://semanadearquivos.arquivonacional.gov.br/…/lista-even….”

A imagem pode conter: texto

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Material didático de combate ao racismo contra indígenas é disponibilizado para download

Objetivo da divulgação online é contribuir para a redução do preconceito e da violência contra indígenas em Santarém (PA) e em todo o país
Material didático de combate ao racismo contra indígenas é disponibilizado para download
O Ministério Público Federal (MPF) publicou nesta segunda-feira (15/05/2017) versão digital de material didático com informações para o combate às atitudes de preconceito, racismo e discriminação contra povos indígenas. O download pode ser feito por este link.
A produção do material é resultado de um acordo assinado em outubro do ano passado em Santarém (PA) pelo MPF, União, estado do Pará e município de Santarém perante a Justiça Federal e com a mediação do juiz federal Domingos Daniel Moutinho da Conceição.
O acordo foi assinado em um processo judicial aberto em 2014 a partir de ação em que o MPF pediu à Justiça que obrigasse a União, o estado do Pará e o município a promoverem com urgência medidas educativas para combater o racismo contra indígenas em Santarém.
Denúncias registradas pelo MPF/PA mostram que atos discriminatórios contra os índios têm sido recorrentes no município, principalmente em ambientes escolares ou em meio a disputas pelo direito à terra.
Preconceitos camuflados – O texto busca apontar ideias muitas vezes recebidas e retransmitidas como verdadeiras, mas que são preconceitos camuflados, carregados de discriminação e violência. Como exemplos, os autores citam os pensamentos de que os índios são primitivos, aculturados, preguiçosos, e estão desaparecendo.
Para cada uma dessas falsas ideias os autores contrapõem respostas objetivas e bastante didáticas que deixam claro o quanto deseducadores e promotores da violência são os princípios a partir dos quais essas falsas ideias foram geradas.


O material foi assinado pela pedagoga especialista em coordenação pedagógica Iára Elizabeth Sousa Ferreira Arapyun, coordenadora da Educação Escolar Indígena da secretaria municipal de Educação de Santarém, e pelo acadêmico de Direito Cauã Nóbrega da Cruz Borari, professor da Língua Nheengatu. Colaborou o analista jurídico do MPF em Santarém Rodrigo Magalhães de Oliveira.

Antecipação contra a violência – A publicação terá versão impressa com tiragem de 15 mil exemplares, a serem distribuídos na rede pública de ensino de Santarém.
O material da versão online estava prevista para ocorrer assim que a versão impressa começasse a ser distribuída, o que deve ocorrer dentro de aproximadamente dois meses. A mais recente onda de violência contra indígenas no país, como o ataque contra o povo Gamela (MA), levou o MPF a antecipar a divulgação da versão digital.
Nossos antepassados foram massacrados, dispersaram-se por esses rios e matas para sobreviver, precisaram se esconder. Depois foram proibidos de falar a própria língua, foram obrigados a falar a língua do colonizador e negar a própria identidade. Mas, resistentes, sobrevivemos às tentativas de negar a nossa existência. E apesar dos direitos que hoje nos são garantidos, continuamos lutando contra toda forma de preconceito que nos nega a demarcação das nossas terras e a gestão de nossos bens naturais, a saúde diferenciada, a educação escolar diferenciada com qualidade, a autodeterminação política e até mesmo o direito ao pertencimento étnico”, diz trecho do material.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES