BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 30 de março de 2016

Os mais ILUSTRES e ANTIGOS habitantes de Indaiatuba

Pesquisa, imagens e texto de Charles Fernandes
Arquiteto



Esse é o cara, a pequena palmeira que emprestou seu nome para a minha cidade. 
O INDAIÁ

Era abundante, "tuba" em língua indígena, e aqui era a terra de muito indaiá, ou Indaiatuba. Este está na entrada do Indaiatuba Clube. Existem muito poucos hoje, pois esta palmeira possui um estreita relação com a cotia, seu fruto apenas germina quando roído completamente por esse animal. Quando acabamos com a cotia, condenamos o Indaiá. Também era muito consumida pois seus brotos eram palmitos que se comiam crus arrancando-os pelo campo. Vergonhosamente lembro de ter feito isso a uns 30 anos atras, pelos terrenos do Pau Preto, onde fazíamos pistas para bicicleta.

Veja como, quando quebramos um ecossistema, é difícil, recompor. Hoje, se quisermos trazer o Indaiá, para perto da cidade, teremos que promover corredores de fluxo gênico, para atrair o dispersor, a COTIA, de pontos onde ele povoa, e introduzir indaiás, onde estes animais estão, até que o Indaiá retorne, onde a COTIA quiser que isso aconteça. ALGUÉM VIU ALGUMA COTIA ULTIMAMENTE?



Estes são os enormes INDAIÁ AÇU, da avenida Visconde de Indaiatuba. 
Apesar de grandes e bonitos não são esses que doaram o nome para a nossa cidade.

Meu avô era sapateiro, ali na rua 11 de junho, seu apelido era Angico, assim como esse ANGICO BRANCO
Um pouco dele esta espalhado por toda Indaiatuba, angico é populoso no Cerradão.






Minha preferida, o JATOBÁ. 
Como não tenho mais idade pra ficar pulando o muro do casarão do pau preto, pra roubar jataí, fruta do conde e jambo, este jatobá, no estacionamento do Indaiatuba Clube me proporciona o suprimento desta deliciosa fruta fedorenta.

CURIOSIDADE: existem 02 jatobás, plantados em 1993, hoje com 23 anos, na frente da churrascaria homônima. Se aqueles tem 23 anos, este aqui tem uns 200 ou mais.



PALMEIRA JERIVÁ, outra que tem gosto de molecagem. Íamos de bicicleta até o hospital (HAOC) só pra catar coquinho. Aliás, chamávamos só de coquinho.

Este é o ultimo JERIVÁ da parte inicial do parque ecológico. Suas sementes germinam a mais de 1 quilômetro, no jardim da minha mãe, que ainda mora na região. Palmeira nativa, atraente para a avifauna



Curiosamente, todas as partes do parque ecológico, construídas depois, trocaram o JERIVÁ, pelas exóticas: Seafortea e Imperial.

 A bicharada não gostou.


A ESPATODEA, não é nativa, é uma alienígena da nossa flora, mas vai fazer muitos lembrarem das ruas do centro da cidade. Junto a praça D. Pedro, onde foram podadas até morrerem todas. Pra mim tem cara de infância, apertar os botões das flores para espirrar néctar.

Em um paisagismo sem muito critério, alguém pensou em plantar todo um capão de espatódeas, perto do Colégio Objetivo, no Parque Ecológico. Está lá, um gueto de espatódeas.


Tem cada IPÊ ROXO, na região entre a rua 24 de maio e o Pau Preto! 
Estes estão ao lado do cemitério antigo. O mais belo IPÊ de Indaiatuba, é composto por várias gerações de indaiatubanos, está plantado bem no centro do cemitério antigo. 

Está ao lado de um belo jequitibá branco. Na frente da Gaziola. Outro branco que fotografarei esta na Praça Prudente de Moraes.

A CANELINHA foi outra árvore utilizada para as ruas da cidade.


Ela caduca pouco, ou seja perde poucas folhas (adoro o termo botânico, caduco, para a planta que perde folhas), portanto a canelinha suja menos as ruas. 

Da família da Imbuia, tem porte médio. Esta está junto ao antigo Vila Nova.






SIBIPIRUNA, foi muito usada para arborização urbana nos anos 70, esta tá perto do cemitério antigo. Sua flor amarela em forma de coroa de Cesar, dá nome para a família, Cesalpineae. São desta família também o pau-brasil e o pau-ferro.



Quando as Sibipirunas da década de 70 ficaram grandes, perceberam que ela solta uma cera quando floresce, e isso sujava os carros, substituíram por "Canelinhas". Esta cera é uma proteção para a Sibipiruna, ela impede que suas sementes germinem abaixo dela, diminuindo a competição, portanto ela é dependente de animais dispersores para se reproduzir. Numa mata sem animais, a Sibipiruna perece!



ALECRIM de CAMPINAS, os alecrins do parque já estão bem legais. 

Logo estarão como eram os do praça do Randolfo. Quem estudou lá lembra das guerras de bolinhas de alecrim. Este é o alecrim de flor amarela, da música que cantamos para as crianças.

A Impermeabilização do solo da zona central matou sistematicamente todos os alecrins do Randolfo, hoje em seu lugar estão Jambolões.


PAINEIRA ROSA, acompanha o leito dos rios e córregos, sua madeira tem capacidade de acumular água para as estações mais secas, formando um tronco que também é chamado de "pé de bêbado ".
Desta, eu cuido pessoalmente ! Com a ajuda do proprietário, seu futuro está garantido.


Sr. JEQUITIBÁ ROSA, na avenida Itororó, na minha opinião, pelo local e pelo porte, a árvore mais bela de nossa cidade. 

Existe um outro maior, nos jardins do Casarão do Pau Preto. Na cidade dois canteiros de avenidas possuem Jequitibás. 

Alguém sabe qual a outra avenida?




A EMBAÚBA, não é muito usual na arborização da nossa cidade, esta da foto é de um mero acaso, próximo ao telhadão, assim como é acaso a ocorrência dela em qualquer lugar, duvido que alguém a tenha plantado. 

Assim como o Guapuruvú que também pratica função semelhante, a EMBAÚBA é uma espécie PIONEIRA. 
Se a mata fosse um corpo, a embaúba seria a plaqueta do sangue, se a mata fosse um exército, ela seria o soldado raso de infantaria. Sua estratégia sucessional na mata é de ocupar espaços perdidos, recuperar clareiras deixadas por indivíduos que caíram. Elas recompõe o estrato, para que outras espécies possam ocupá-los depois, utilizando-se de sua sombra. 
Como faz isso? Ela possui algumas qualidades: diferentes de outras arvores que são dependentes de animais ou dos ventos e chuva, suas sementes somente germinam com a luz solar e duram muitos anos; então quando a mata perde indivíduos, elas são as primeiras a nascerem, aliado a isso, crescem muito rápido, recompondo rapidamente a área degradada. Em função disso, possuem madeira fraca, e vivem pouco, apenas cumprem seu papel no complexo ecossistema da mata de nosso Bioma.
Os nomes científicos das árvores, sempre lembram características da planta, do lugar, ou de quem a descobriu; o nome científico da Embaúba é “Cecropia hololeuca”, fácil de guardar: HOLO de Luz, e LEUCA de branca, a embaúba é a cecrópia da luz branca. Quando olharem uma mata, e virem holofotes brancos sobre as folhas ao longe, saberão que é a Embaúba.
A embaúba também é indicador de degradação da mata, pois uma mata saudável possui muito poucas pioneiras.



segunda-feira, 28 de março de 2016

Prêmio Nabor Pires de Camargo está com inscrições abertas até 31/03/16

A Prefeitura de Indaiatuba, por meio da Fundação Pró-Memória, informa que as inscrições para o 15º Prêmio Nabor Pires Camargo – Instrumentista já estão abertas. 
Voltado à música popular brasileira, o prêmio visa divulgar as obras do clarinetista e compositor indaiatubano Nabor Pires Camargo, além de estimular e revelar o talento de novos criadores e intérpretes. “Trata-se de um dos poucos concursos de música instrumental realizados no Brasil, sendo nacionalmente conhecido e divulgado”, comenta o superintendente da Fundação, Carlos Gustavo de Nóbrega de Jesus.
O prêmio para o melhor músico será de R$ 8.000,00; o segundo colocado receberá R$ 6.000,00; o terceiro R$ 5.000,00; o quarto receberá R$ 4.000,00 e do 6º ao 10º colocado R$ 500,00. Após uma triagem serão selecionados os dez finalistas que concorrerão em audição pública a ser realizada no dia 29 de abril às 19h, no Ciaei (Centro, Integrado de Atendimento à Educação de Indaiatuba).
A Fundação Pró-Memória oferece aos participantes e seus acompanhantes no dia da audição: almoço, ajuda de custo e hospedagem.
O candidato deverá inscrever-se individualmente uma única vez com duas músicas, uma de Nabor Pires Camargo e outra de livre escolha, podendo ser autoral, e que tenha duração máxima de cinco minutos. As canções deverão ser gravadas em áudio, preferencialmente em CD, e enviadas juntamente com seis cópias das partituras de cada música e a ficha de inscrição devidamente preenchida para o seguinte endereço:
Fundação Pró-Memória de Indaiatuba
15º Prêmio Nabor Pires Camargo - Instrumentista
Rua Oswaldo Cruz, 1015 - Cidade Nova - Indaiatuba, SP - CEP: CEP 13334-010
A ficha de inscrição e o regulamento completo do concurso estão disponíveis no site www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br .
Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (19) 3835-3588 ou por e-mail: premionabor@promemoria.indaiatuba.sp.gov.br
NABOR PIRES DE CAMARGO
O artista era apaixonado pela música. Começou a estudar clarinete ainda na infância e logo foi admitido como clarinetista da banda infanto-juvenil regida pelo maestro José Lopes dos Reis, o "Dunga”. Aprofundou os estudos no Conservatório Dramático-Musical de São Paulo. Atuou em muitas bandas e orquestras como a Orquestra Sinfônica da Rádio Tupi e a Orquestra Sinfônica Musical de São Paulo. Em 1929 compôs o Hino Indaiatubano, oficializado em 1974. Foi escolhido "Melhor Clarinetista de 1930", prêmio concedido pela Gazeta Esportiva. Foi o primeiro ganhador da Medalha "João Tibiriçá Piratininga", honraria concedida a partir de 1984 aos cidadãos que prestaram relevantes serviços ao município de Indaiatuba.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Fundação Pró-Memória em parceria com a Unicamp abrem inscrição para Escola do Patrimônio

A Fundação Pró-Memória em parceria com o departamento de História da Unicamp estão com as inscrições abertas para o curso da Escola do Patrimônio 2016. 
Os cursos foram divididos em dois módulos: o 1º é voltado para educadores e o 2º mais técnico direcionado especificamente para questão da preservação do Patrimônio Histórico. 
“No entanto os dois módulos estão abertos ao público geral, bastar ter concluído o ensino médio”, lembra o superintendente da Fundação, Carlos Gustavo Nóbrega de Jesus. As inscrições são gratuitas. 
“Lembrando que o curso tem vagas limitadas e sempre serão abertas com uma semana de antecedência para módulo 1 e duas semanas para módulo 2, diretamente na página da Fundação Pró-Memória”, avisa Gustavo.
CONFIRA O CRONOGRAMA

Patrimônio ambiental e história ambiental: proposta para o ensino de história
Prof. Dr. Eduardo Giavara (Universidade Federal de Uberlândia)
Ementa: O conceito de patrimônio ambiental no ensino de história; políticas públicas de proteção à natureza; saberes e práticas que fundamentam no uso dos recursos naturais; perspectiva histórica para compreender a relação do homem com o mundo natural ao longo da história.
Data: 29 de março de 2016
Horário: 9h às 12 – 13h30 às 16h30
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)

Conservação e Restauro do Patrimônio Arquitetônico Paulista: Taipa de Pilão
Prof. Dr. Marcos Tognon (UNICAMP)
Ementa: História das técnicas de construção no Brasil; os princípios da Taipa de Pilão; seleção de solos; ferramentas e equipamentos; práticas de execução; fundamentos de restauro e conservação.
Atividade prática: execução de estrutura de Taipa de Pilão em canteiro experimental.
Data: 21 de maio de 2016
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Inscrições abertas a partir das 8h do dia 06 de maio de 2016

Conservação e Restauro do Patrimônio Arquitetônico Paulista: Adobes
Prof. Dr. Marcos Tognon (UNICAMP)
Ementa: História das técnicas de construção no Brasil; Dimensões e características dos adobes antigos e modernos; seleção de solos; ferramentas e equipamentos; práticas de execução; técnicas de caracterização, diagnóstico e conservação.
 Atividade prática: execução de adobes em canteiro experimental
Data: 25 de junho de 2016
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Inscrições abertas a partir das 8h do dia 10 de junho de 2016
  
Conservação e Restauro do Patrimônio Arquitetônico Paulista: Alvenarias de Tijolos
Prof. Dr. Marcos Tognon (UNICAMP)
Ementa: História das técnicas de construção no Brasil; Dimensões e características dos tijolos; cronologias construtivas; tipos de alvenarias; práticas de execução; técnicas de caracterização, diagnóstico e conservação.
Atividade prática: execução de trabalhos de limpeza e conservação de alvenarias de tijolos.
Data: 16 e 23 de julho de 2016
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Inscrições abertas a partir das 8h do dia 01 de julho de 2016
  
Práticas de Arqueologia: Escavação e prospecção em sítio histórico
Prof. Dr. Marcos Tognon (UNICAMP)
Ementa: Fundamentos de prospecções arqueológicas; técnicas de leitura de sítios e áreas de interesse; práticas de escavação; protocolos de registro e documentação.
Atividade prática: execução de trabalhos de limpeza e conservação de alvenarias de tijolos.    
Data: 13 e 20 de agosto de 2016
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Inscrições abertas a partir das 8h do dia 29 de julho de 2016
  
Ateliê de Pigmentos: da Alquimia à Industrialização das Cores
Prof. Mestrando Márcio Pulga (Instituto de Artes da UNICAMP)
Ementa: História dos pigmentos; teoria das cores; caracterização e aplicação dos pigmentos no campo artístico (mural, afresco, quadro de cavalete).
Atividade prática: execução de experiência com pigmentos.
Data: 24 de setembro de 2016
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Inscrições abertas a partir das 8h do dia 09 de setembro de 2016
  
Aleijadinho e o Barroco Brasileiro
Prof. Doutorando Mateus Alves Lima (UNICAMP)
Ementa: Como reconhecer o Barroco brasileiro; Aleijadinho e sua oficina; análise das principais obras do barroco mineiro; o Barroco em São Paulo.
Atividade prática: exercícios de análise de obras de arte.
Data: 01 de outubro de 2016
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Inscrições abertas a partir das 8h do dia 16 de setembro de 2016

Introdução ao Ensino de História da África
Prof. André Luigi (UFSCAR)
Ementa: A História da África e a Legislação Educacional; Introdução aos Estudos Africanistas; A História da África Pré-Colonial; História da África Atlântica e a História do Brasil: África Ocidental; África Centro-Ocidental
Data: a definir
Horário: 9h às 12 – 13h30 às 16h30
Local: Rua Pedro Gonçalves, 477 – Jardim Pau Preto – Indaiatuba/SP (Casarão Pau Preto)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES

Quantas pessoas precisam receber um órgão doado?

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO