BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

O Crime do Poço - Capítulo 1 - O Assassinato

Capítulo I – O Assassinato

- “Cadê o milho?”, disse Domenico De Luca (1) , jovem imigrante italiano de 17 anos de idade.

- “Aqui está o milho!”, respondeu Antônio N., que ao mesmo tempo deu uma forte pancada na cabeça de sua desavisada vítima, que nem teve tempo para virar-se de frente para seus algozes.

O relógio carrilhão assentado acima da janela central da matriz Nossa Senhora da Candelária, na época sem as duas torres, marcava três horas da tarde.

A vítima desmoronou por terra ficando deitada sobre o seu lado direito, quando levou outra forte bordoada, também na cabeça. Com a pancada virou-se de costas e debatendo-se, mexia derradeiramente braços e pernas em rápido tremor. Mas não se defendia, agonizava e emitia fundo estertor, movimentando-se involuntariamente. Como a autópsia revelaria dias mais tarde, já era naquele instante, portador de duas fraturas cranianas.

Rapidamente, Adão R. pegou uma pesada pedra que servia de encosto da porta, levantou-a acima da cabeça e com os braços erguidos, aproximou-se do moribundo e a socou com força em seu peito exposto, sobre o coração (2) .

Eugênio C., que sorrateiramente também havia se aproximado da vítima, firmou seu pé contra o lesado peito, tirou do lado esquerdo da cinta uma faca de sapateiro com aproximadamente um palmo de lâmina, segurou no queixo de Domenico e desferiu dois profundos e vigorosos golpes, degolando-o quase que totalmente, dando àquele quadro sinistro, a mais intensa feição de sanguinário horror.

Após o sinistro consórcio que premeditou o crime 24 horas antes, jazia agora o jovem Domenico, num cenário repulsivo, covarde e repreensível, sucumbido à desgraça.

.....oooooOooooo.....
 
(1) Exceto a citação 2, as informações deste capítulo são advindas dos autos do processo.
(2) DOTTA, Mário. A Tragédia da Rua Candelária. Indaiatuba (SP). 1985. Mimeografado. p.11


LEIA O CAPÍTULO 2

Livro publicado em 2007

4 comentários:

  1. Eu nem sabia que virou livro..humm interessante!

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que O crime do Poço deveria revelar os sobrenomes dos assassinos, pois isso é histórico nada tem de errado, já pensou se ao revelar o assassino do Presidente Kennedy só escreve Lee H.O a história ficaria incompleta.Esse é apenas o meu ponto de vista.

    ResponderExcluir
  3. Adão Ripabello
    Antonio Nugnesi
    Eugênio Cardinalli
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Crime_do_poço_(Indaiatuba)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu por ter a coragem de postar o sobrenome dos assassinos!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES