BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

sábado, 8 de agosto de 2009

Festas Religiosas da época do padre Jannoni

.
texto de Glória D. Q. Belo e
Anaida Quinteiro Perez Canovas
.
Padre Padre Antônio Jannoni foi pároco da Igreja Matriz Nossa Senhora da Candelária de Indaiatuba por onze anos, entre 1945 e 1956.
.
Carismático como ninguém, soube arrebanhar os fiéis para frequentarem com disciplina e constância sua igreja. 

Foi um líder muito dinâmico, alegre, sempre presente na comunidade; e essa sua personalidade marcou uma época na Matriz: aos poucos foi aumentando a quantidade de missas rezadas, ouvia a todos com muita atenção, ficou conhecido por reformar e manter o patrimônio e ainda por incentivar a construção de capelas como a do cemitério, a da Fazenda Cruz Alta, a do Mato Dentro, entre outras.


.Naquela época, ir à missa era um evento importante: todos se arrumavam com presteza e só faltavam em último caso. A igreja não era só um local religioso, mas também social e político. 

Por serem as missas rezadas em latim, língua que o povo de nada entendia, o que se mais gostava mesmo eram as festas religiosas. Em épocas festivas a fé e a criatividade afloravam mais ainda, e em massa, o povo correspondia ao chamado do Padre Jannoni para que participassem das comemorações.


.No dia da Padroeira Nossa Senhora da Candelária, após as missas, eram realizados leilões de gado. 


"Lembro-me perfeitamente do nosso leiloeiro oficial daquelas eras - escreve Rubens de Campos Penteado - , o Sr. Eduardo Ambiel, de saudosa memória, com seu linguajar característico: _ Quem dá mais! Dou-lhe uma, dou-lhe duas ... Mil reis! Mil reis! Mil reis!"


Os participantes ficavam ansiosos e até eufóricos aguardando para ver àquele que era o “ponto alto” desta festa: a magnitude da ornamentação do andor da Santa, que era levado em procissão pelas ruas da cidade. O povo acompanhava orando ou cantando com a banda.

A Semana Santa também era um acontecimento na cidade. 

No Domingo de Ramos, todos com ramos nas mãos, acompanhavam a procissão. Os homens saiam da Igreja de São Benedito, carregando uma cruz. As mulheres saiam da matriz identificadas com diferentes fitas no pescoço, cada qual simbolizando uma irmandade: Filhas de Maria, Irmandade de Santo Antonio, Sagrado Coração de Jesus, Irmandade de São Benedito, entre outras. O encontro acontecia na Praça Prudente de Moraes, onde Padre Jannoni realizava uma comovente celebração. Durante toda a semana tinha a vigília: a igreja permanecia aberta e não ficava um minuto sequer sem pessoas orando. Na quinta-feira havia a cerimônia do “Lava-Pés” onde, repetindo simbolicamente o gesto de Jesus, o padre lavava os pés dos elementos da congregação. Na sexta-feira às três horas da tarde, começavam as cerimônias comemorativas à data. A noite saia a “Procissão do Enterro”. Era grande a multidão que acompanhava. As senhoras tinham a cabeça coberta por véu preto e as jovens, por véu branco. Todos carregavam uma vela acesa na mão. As janelas das casas por onde passava a procissão eram ornamentadas com toalhas rendadas, flores e imagens para homenagear o Senhor. Em cada “Estação da Via Sacra” parava-se e era feita uma referência e a “Verônica” toda vestida de preto, com o rosto coberto com véu, cantava com as mãos para cima aonde ia desenrolando uma toalha com a imagem de Jesus. O silêncio era total. As “verônicas” eram senhoras dotadas de belíssimas vozes; ocorrem-nos os nomes de: Luísa Fanger, Tereza Zoppi e Alba Tomazi.

No Sábado de Aleluia a igreja permanecia com suas portas fechadas, até que se anunciasse a ressurreição através dos sinos que ressoavam alegremente. O povo então se reunia na praça para assistir a “malhação de Judas”, que era feita após alguém ter conseguido, após sucessivas tentativas, derrubar o boneco do “pau de sebo”. Era festivo! A banda se fazia presente em todas as solenidades, tocando músicas que emocionavam a todos. Na madrugada de domingo era realizada a “Procissão de Encontro”: Maria encontrava-se com Jesus ressuscitado. Era o encerramento, onde mais uma vez o povo comparecia em massa. . No mês de maio, todas as noites, durante a reza, entrava-se em fila na igreja levando flores para oferecer à Maria, cantando em seu louvor: . “ Vinde, vamos todos, com flores à porfia, com flores à Maria, que mãe nossa é...” . E ainda: . “ Neste mês de alegria, tão lindo mês de flores, queremos com alegria, celebrar os louvores...”
.
O altar ficava repleto de flores. Era lindo.

.No Mês do Rosário, fazia-se uma procissão, com enormes rosários, feitos com jornal amassado e recobertos de papel crepom, que eram levados por meninas com vestidos de babados, também feitos de papel crepom nas cores branco, rosa e roxo que representando, cada cor, um dos mistérios, a saber: Mistérios Gozosos, Mistérios Dolorosos e Mistérios Gloriosos. Era uma festa diferente e mais uma vez levava toda a população à rua. Padre Jannoni percorria o grupo todo o tempo, organizando e vigiando a ordem das filas para que não houvesse conversas e “espaços” vazios. Todos eram tocados por uma grande fé.

.Além das festas, as atividades de rotina também foram transformadas pelo Padre Antônio. Para atrair os pequeninos para a sua paróquia, celebrava a “Missa das Crianças”. Ele teve a brilhante ideia de premiá-las, desde que comparecessem todos os domingos na missa. Após o término dessa cerimônia, eram distribuídos comprovantes da presença, com data. No final do ano, os cupons eram trocados por prêmios. A exposição de valorosos brindes dava-se uma semana antes, com grande visitação. Aos domingos, às 13 horas, tinha o catecismo, onde eram distribuídos ingressos com desconto para a matinê do Cine Rex.

Após um grande período de permanência na paróquia, Padre Antônio se despede.

O povo chorou sua partida. 

Ele é lembrado até hoje por aqueles que o conheceram, pois foi um sacerdote atuante, que cumpriu com louvor e sabedoria sua missão, correspondendo plenamente ao chamado de Jesus.








Padre Jannoni em Pirapora, na Romaria (foto de Alcides Gaspar 
cedida para o Arquivo Público da Fundação Pró_Memória através 
de Antonio Reginaldo Geiss (identificada como da década de 1940 e da década de 1950)
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES