BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

O muro de taipa da frente do Casarão - Fatos e Questões

          A expansão urbana aliada à industrialização têm provocado o crescimento desordenado de cidades como Indaiatuba e, consequentemente, a destruição de áreas com edificações antigas, cuja importância arquitetônica ou histórica - muitas vezes, infelizmente,  passa despercebida pela maioria da população.

          Em Indaiatuba restaram tão poucos exemplares de edificações antigas, que nem sequer poderíamos pensar na possibilidade de colocá-las em risco. O moderno foi tomando o lugar do antigo sem que as consequencias culturais dessa mudança fossem consideradas por aqueles que a empreenderam.

          Para que essas mudanças não continuem dessa forma inconsequente, o correto é fazer o tombamento de imóveis declarados de interesse para a preservação, quer seja por sua importância arquitetônica, histórica, artística, arqueológia ou ambiental. Com leis que garantam o tombamento, está garantida a preservação da cultura material.

          Mas não é bem essa teoria que estamos vendo sendo colocada em prática em nossa Indaiatuba, já dita tão carente de sua memória edificada. Refiro-me ao muro de taipa construído na frente do Casarão do Pau Preto.

          O muro está bem no meio de nosso centro velho: na frente do Casarão do Pau Preto (aquele, que eu já escrevi que CHOVE DENTRO*), do lado da matriz Nossa Senhora da Candelária (que mesmo tombada, foi reformada), no quintal da Casa número 1 (essa, a Norma cuida) perto do Busto do Dom José e na mesma quadra da Casa Paroquial. Também próximo da Rua Augusto de Oliveira Camargo e os poucos casarões que ali restam, da Estação de Trem onde está a locomotiva número 1, a nascente  do Córrego Belchior e o Hospital Augusto de Oliveira Camargo.

          Essa área encaixa-se perfeitamente no conceito do artigo 216 da Constituição federal que define patrimônio cultural como "bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupo formadores da sociedade brasileira, nos quais incluem: (....) V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico."

          É nesta área que está construído o muro de taipa. Só que ele está em um terreno vazio, de inquestionável valor imobiliário que pertence há muito tempo à iniciativa privada e onde está sendo construído um arranha-céu de 17 andares. A construção encontra-se- na fase de execução da fundação. O empreendimento já foi lançado em mídias escritas, tem um logotipo que remete à formas antigas (históricas, melhor explicando) e recebe o nome de "Casarão". Em uma primeira análise, obviamente surpreende-se com o oportunismo da construtora, ou da empreendedora (não sei se é a mesma empresa) ou melhor, dos responsáveis pela obra, que utilizam descaradamente a área que deve ser preservada (sua história, sua imagem e até o nome de um de seus logradouros) em alusão à um interesse privado. Mas não vou me ater nesse nível de discussão. A iniciativa privada é livre para definir e propagar o produto como bem entender, mesmo que fique esse oportunismo gritantemente agressivo à pessoas que interpretam o fato como eu, os chamados preservacionistas, memorialistas, historiadores formados ou não ou vítimas em geral desse amor que temos incondicionalmente por nossa Indaiatuba. E pelo pouco de patrimônio edificado que lhe resta.

          O primeiro ponto em que se deve se ater de verdade, é o do risco a que todos esses logradouros vizinhos correm, principalmente o Casarão, que já TREPIDA QUANDO PASSA CAMINHÕES E ONIBUS** na frente. Imaginem quando habitantes de 17 andares entrarem e saírem de lá com seus carros e motos. Muitas cidades fazem o exatamente o contrário: proíbem o trânsito em áreas definidas como de preservação e fazem calçadões. Lá passam caminhões e ônibus da Guaianazes toda hora. E também todos os carros que desviam do calçadão da Matriz; ou seja; já é um corredor de fluxo inadequado.



          Essa questão da trepidação é até anterior ao futuro e mais intenso fluxo. Passa também pelos riscos que os próprios processos de construção contêm. Esses, os responsáveis pela obra já assumiram que não existirão. Quero confiar que a Análise de Riscos feitas por eles conseguiu mapear (identificar, mensurar e tratar) todos eles, e conseguirá fazer uma gestão desses riscos de forma eficaz, sem nenhuma não-conformidade como algo ou alguém (credo!) que despenque em cima do muro. O fato é que, se na construção, o muro for abalado, será obviamente reconstruído ou reformado, afinal ninguém colocará sua marca em risco. Nesse ponto confio no "abraço" que os responsáveis estão fazendo em torno do muro, comprometendo-se à preservá-lo.

          Por último, deve-se destacar também outro importante item´, este sim, também de muita importância para se atear em uma análise: a visibilidade. Como não concordar que não há coerência em se cravar 17 andares na área de preservação mais antiga e importante do nosso centro urbano? Alguns responderão rapidamente que já existem outros prédios nos arredores. Para estes, respondo com dois argumentos: sim, mas nenhum está na frente do Casarão (e usando seu próprio nome) e nem foi construído após OS BENS JÁ TEREM SIDO TOMBAAAAAAAAAAAAADOS!!!!!***
         
  • A prefeitura aprovou a construção?
  • Se sim, como é que a Prefeitura aprova uma construção de 17 andares em uma área de preservação?
  • ... Onde os bens do entorno já  estão tombados?
Para que meus argumentos não sejam reduzidos a um texto feito simplesmente por quem ama Indaiatuba desvairadamente e por isso está cega de subjetividade, lanço mão mais uma vez de uma referência legal e legítima:

 Diz a lei: é necessária a prévia avaliação e autorização do órgão competente para a liberação de construção nas áreas do entorno de patrimônio histórico e cultural, objetivando resguardar a visibilidade do bem tombado.

  •           Um prédio de 17 andares resguarda a visibilidade dos bens tombados da área?
Para uma obra desse porte em um local como esse, também diz a lei que é obrigatória a elaboração de um Estudo de Impacto na Vizinhança (EIV), cujas diretrizes teóricas apontam que ele deve ser realizado de forma objetiva, sem "subjetividades" que beneficiem  o interesse privado a despeito do interesse da coletividade.

  • Foi feito um Estudo de Impacto na Vizinhança antes da aprovação da construção do prédio?
  • Quem analisou e aprovou esse Estudo?
São questões que precisam de respostas.

A preservação do nosso patrimônio edificado não é tarefa apenas de uma instituição. É, também, responsabilidade de todos nós, legítimos proprietários que somos dos bens coletivos. (Caramba, gente! Isso tudo é nosso!). Por responsabilidade, além dos deveres definidos e aqui citados na Constituição e  também presentes em nossas leis (inclusive municipais) referentes aos patrimônios já tombados também compreende-se ações individuais e coletivas consonantes com a prática cotidiana de resguardar a memória daqueles que nos procederam na História. 

Todos os cidadãos são guardiões do passado a fim de que seja testemunhado pelas gerações futuras. 

.....oooooOooooo.....

* Desculpem-me os leitores pelas letras maiúsculas, sei que na etiqueta da web significa que estou gritanto, mas estou mesmo. Perdão.

** Perdão, mil perdões. Gritei de novo. É a insistência, a vontade de ser ouvida.

*** Agora eu perdi a classe de uma vez por todas e nem vou mais pedir perdão.

3 comentários:

  1. Parabéns por mais esta matéria Eliana.
    Também fico bastante chateado com o modo que as coisas são tratadas. Acho lógico e necessário que em Indaiatuba sejam construídos grandes condominios verticais, ou prédios comerciais porém é ainda mais necessário preservar a história da nossa cidade. Existem tantos locais para construir prédios novos não ?
    Ainda mais tenho certeza que um prédio deste porte não vai ficar bonito no local. É uma pena.
    Tenho a certeza que alguns estão ganhando dinheiro ilegal com o negócio...para variar.
    Abraço.

    ps. vou repassar o post por ai...

    ResponderExcluir
  2. Parabéns

    De fato em Indaiatuba assistimos uma verdadeira omissão em relação a preservação histórica e ambiental. E essa é uma luta que vale a pena porque é da memória coletiva, do direito de não esquecer é que vamos nos humanizando formando o que somos e o que seremos. Sendo assim dependemos da sustentabilidade histórica e ambiental.

    ResponderExcluir
  3. gostei do blog, estou seguindo... siga-nos

    participe de nosso sistema todos divulgando todos, veja em nosso blog

    obrigado

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS VISITADAS NA ÚLTIMA SEMANA

PESQUISAR NESTE BLOG

História do Hino de Indaiatuba

https://www.youtube.com/watch?v=tauWwWrYipc

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES