BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

segunda-feira, 16 de março de 2015

75 anos de água encanada em Indaiatuba


A Festa

Há 75 anos, no dia 02 de fevereiro, a cidade amanheceu de gala. A caixa d’água, parecendo um arranha-céu, se elevava sobre os telhados da cidade. A inauguração, solene, foi bastante concorrida, como lemos em Cronologia Indaiatubana: 



1937
Abastecimento de água

2 de fevereiro: inaugurada com festejos a primeira rede de abastecimento d’ água em Indaiatuba. Até então a água era recolhida num chafariz da Rua Siqueira Campos. A obra foi realizada nas gestões do Dr. Scyllas Leite Sampaio e Dr. José Cardoso da Silva e foi financiada com o aval do casal Augusto Oliveira Camargo e Leonor de Barros Camargo tendo custado mais de quatrocentos contos. 

Fotos 1 e 2: Inauguração do sistema de abastecimento de água, dia 02 de fevereiro de 1937.
Coleção Luis Guilherme Sampaio. Arquivo Público– Fundação Pró-Memória. de Indaiatuba


Neste dia o Dr. Scyllas publica em “O Município” dados históricos referentes ao problema da água em Indaiatuba desde o chafariz de 1863, passando pelas soluções paliativas das torneiras em alguns pontos da cidade, obra do major Fonseca que alegava ser o Município muito pobre para custear uma obra do vulto da que se inaugurava neste dia. 

Os estudos para aproveitamento do manancial do Cupini tiveram início em setembro de 1935, em agosto de 1935 o projeto, e um financiamento de 475 contos, foi aprovado pelo Governo do Estado, e em 2 de fevereiro de 1936 tem início a construção do sistema de captação, inaugurado exatamente um ano depois. A represa tinha vazão de 21 litros por segundo. 

Um motor de 25 HP movimenta bombas, cada com capacidade de recalque de 12 l/seg, levando água ao reservatório de 400 metros cúbicos, suspenso sobre colunas a 22 metros de altura na Avenida Presidente Vargas. 

A energia elétrica para o motor que acionava as bombas era fornecida pela Empresa de Luz e Força de Jundiaí através de uma extensão de 260 metros de fio. A rede de distribuição é de tubos de ferro fundido e o estudo previu abastecimento para 20 anos, ou seja, para o dobro da população da época.

Nilson Cardoso de Carvalho, Cronologia Indaiatubana, p. 141.
Indaiatuba: Fundação Pró-Memória de Indaiatuba, 2009.




Em 1937 a cidade era pouco maior do que se vê nesse recorte de planta urbana...

A Cidade

Na década de 1940 dois estudantes de medicina fizeram seus trabalhos de final de curso para a cadeira de Higiene tendo como tema Indaiatuba. Um deles, Manoel Ramos Tavares, relata como se deu a escolha da nascente da Fazenda Barroca Funda, da família Cuppini para abastecer a cidade.





Segundo Manoel, em 1940 a área urbana de Indaiatuba tinha 454 edificações; de todos os mananciais próximos, o Cuppini era o único capaz de abastecer toda a cidade com 1200 litros de água/dia, podendo mesmo chegar a dobrar essa cota.

Os documentos produzidos pelas ações do poder público municipal para o abastecimento de água, hoje no Arquivo Público de Indaiatuba, da Fundação Pró-Memória, guardam um retrato dos moradores desse núcleo urbano que recebeu pela primeira vez a água encanada.
Entre eles um rol dos chefes de família que moravam na área urbana da cidade, que reproduzimos parcialmente abaixo:


Imagens de documentos relativos ao controle do abastecimento de água pelo poder público municipal.
Fundo Prefeitura Municipal de Indaiatuba,
Arquivo Público – Fundação Pró-Memória de Indaiatuba.


Reprodução de planta da área urbana de Indaiatuba em 1935.
Acervo Nilson Cardoso de Carvalho. Arquivo Público – Fundação Pró-Memória de Indaiatuba.


Para além da caixa d’água, em 1940, começava a roça, onde morava a maioria da população de Indaiatuba. Décadas depois daquele dia de festa de 1937, um fotógrafo registrou a cidade crescendo em direção ao novo bairro, a “Cidade Nova”, vista do alto da caixa d’água. 

A paisagem rural daquele momento hoje está no centro da área urbana, e a caixa d’água, preservada e cercada de valor afetivo pela cidade, tornou-se um marco dessa história.


Créditos:
Texto de Adriana Carvalho Koyama publicado em janeiro de 2012 
Capturado em: http://www.saae.sp.gov.br/arquivos/75_anos_do_abastecimento_de_agua.pdf


Torneira Pública

Meninos vendedores de água


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES