BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

O Chafariz (Reminiscências de Indaiatuba)

Há muitos anos, Indaiatuba tinha a Rua da Palha, atualmente Rua Pedro Gonçalves

Esse nome vem do tempo em que a colônia da Fazenda Pau Preto ficava em continuação do prédio da sede. As casas eram cobertas com sapé e havia muita palha espalhada. Aí começava a rua da pobreza....

Tais casas eram, na maioria, feitas de barrotes, e de pequena altura. Na esquina com a atual Bernardino de Campos ficava o caminho do chafariz, e lá embaixo estava a célebre biquinha de água potável.

Era esta a rua das lavadeiras e nela morava a melhor delas: Nhá Zabé Alemoa

No fim da rua, que era bem conservada pela Prefeitura, tinha o chafariz; era uma nascente em um poço bem fechado, do qual saía um cano que jorrava água na frente de uma parede, onde tinha uma escada de cada lado. 

A bica era alta do piso, o qual era feito de lajes e pedras assentadas, ficando assim um plano seco e limpo. Para aí vinham os carrinhos com latas para serem cheias de água. 

Embaixo da bica havia uma grelha de ferro, pela qual saía a água que corria por baixo das lajes, indo até um ribeirão de águas profundas e limpas, no qual as crianças nadavam e pescavam.


Crédito da imagem: Reminiscências de Indaiatuba
Antônio Zoppi


Ao lado do chafariz, a Prefeitura tinha construído um telheiro de esteios de madeira sextavada, coberto com telhado de quatro quedas d´água e tendo gradinhas em redor, cujo piso era de lajes, tendo canos por onde corria a água captada do brejo e com altura necessária para as lavadeiras colocarem as suas tinas e bacias de lavar roupas. 

Ali mesmo tinham seus varais de arame farpado, dos quais pendiam grandes quantidades de roupa pra secar.

Nessa rua, o movimento era intenso. 

Pela manhã, até às 10 horas, todos precisavam ir buscar água no chafariz, serviço feito pelas crianças. 

Havia carrinhos de uma, duas e até três latas, conforme o tamanho do rapaz que carregava. 

Era nisso que se ganhava um tostão por lata de água baldeada. 

Aquele que levava água para o Grupo Escolar ganhava mais que os outros.

Entre os rapazolas, havia os briguentos, que furavam a fila à frente da bica, tendo início então as brigas, onde quebravam carrinhos, amassavam latas e faziam os menores chorarem, quando então vinham as lavadeiras para separar os contendores. 

Fonte: "Reminiscências de Indaiatuba" de Antônio Zoppi.

Leia também: http://historiadeindaiatuba.blogspot.com.br/2015/04/o-rio-do-bicudo-buerao.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES