BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Livro do Penna "Nos Tempos do Bar Rex"



Na noite de terça-feira p.p., dia 21 de setembro de 2010 aconteceu o lançamento do livro "Nos Tempos do Bar Rex", de Antonio da Cunha Penna para a imprensa, na Tulha do Casarão do Pau-Preto.

Penna presenteou os convidados com um exemplar do livro, que será lançado oficialmente na próximo dia 30 de setembro, no Indaiatuba Clube, a partir das 19:00 hs. O convite é aberto para todos, não é só para quem é sócio do clube.

Eu já tinha lido a versão draft em arquivo eletrônico, mas ao receber o livro confesso que tive uma grata supresa. A edição está muito caprichada, fruto de um trabalho de  5 anos que começou com a intenção de elaboração de uma crônica.

"Foi em 7 de setembro de 2005, no café do Cine Topázio no Shopping Jaraguá que marquei com amigos para conversarmos sobre o Bar Rex. A intenção era fazer uma crônica para a Revista da Tribuna. Estávamos: Paulo Lui, Geiss, Rubens Bonito (in memorian), Clóvis Civolani, Zaira de Genaro e sua filha Cristina Genaro Scodro", relembra Penna. Só que foram tantas as histórias e tantas as possibilidades que se abriram de pesquisa que a crônica nunca foi escrita e virou livro. Sorte nossa. Sorte da história de nossa Indaiatuba, que está todinha aí, escondida... para ser desvendada, escrita e divulgada.

Além desses que foram entrevistados nesse primeiro momento, Penna conta que alguns conhecidos deram o "tom" ao livro e confessa que foram deles as principais entrevistas que formaram o conteúdo. São eles: Carlos Antônio Gotardo, Humberto Carlos Prandini, Jonas Felipe, Luiz Hermínio Tasca, Nelson de Campos e Nevil Bonachella.

Mas quem pensa que o livro discorre apenas com fatos que aconteceram no dito Bar Rex, terá uma grata surpresa ao reconhecer que, na verdade, o bar é apenas um eixo temático - não deixando de ser, obviamente, o "eixo gravitacional", conforme diz o próprio autor.

 Penna escreve sobre tudo o que está direta ou indiretamente relacionado com a época em que o Bar Rex era uma referência para a juventudo, ou seja, os anos 40, 50 e parte dos anos 60. "Seria como se alguém de hoje escrevesse sobre Indaiatuba dos tempos da Pepis".

Para que você tenha uma ideia da quantidade e diversidade de informações que encontrará, eis a lista de todos os outros colaboradores:

Adelki Costa (Rocha)
Admar Martini
Airton Rodrigues
Alberto Amstalden
Alberto Martins
Alexandre Carlos Peres
Altayr Garibaldi Rotholi Gardia
Alzira Volpato Beccari
Anaida Quinteiro Peres Canovas
Ângelo Prandini
Antônia Melânia E. Pires Rodrigues
Antonieta Bonito
Antônio Mingorance Filho (Chido)
Antônio Pianucci
Antônio Reginaldo Geiss
Aparecida Rosemeire C. do Nascimento
Aristides Cantelli
Armando Pachelli
Benta Célia Galdino Teixeira
Carlos Antônio Gotardo (Gotardinho)
Carlos Waldir De Genaro (Badóli)
Clóvis Civolani
Danilo Carlos Fuga
Djalma Bergantim
Domacyr Stocco (Ciro)
Edgard Steffen
Edjair Claro de Oliveira
Eduir Antônio Pazini
Eliana Mattos
Emanuel Jorge Fernandes Pinto (Mané)
Feres Pedro Aun Neto (Salim)
Fernando Stein
Francisco Nitaques
Glória Dinorah Quinteiro Belo
Glória Ferrarezzi Martins
Hélio Bigatti
Hélio Milani
Humberto Carlos Prandini (Doda)
Iolando Bernardinetti
Jaime José Possan
Jefferson Canova (Gerê)
João Antônio Puccinelli
Jonas Felipe
Jorge Ribeiro da Silva Jr.
José Aristides Barnabé
José Arnaldo Zulian
José Beccari
José Jair Pistoni
José Maria de Araújo (Zé Baleiro)
José Paulo Ifanger
Julio Carlos Stein
Jurandir Costa (Timóteo)
Lauro Magnusson
Luís Hermínio Tasca (Lula)
Luís Ronaldo Mazeto (Dinho)
Manoel de Miranda
Maria Mercedes Zoppi Bonito
Marcelo Pires
Marcos Poli (Mug)
Marilena Mingorance Brunetti
Marizilda Perez Zanutello
Moacir Martins
Nelson de Campos
Nevil Bonachela
Octacílio Groff
Onesi Magnusson Mendes
Paulo Antônio Lui
Paulo Camargo
Paulo Von Ah
Pedro Queiróz
Reinaldo Von Ah
Renato Santos Pena
Roberto Ferrari (Tutu)
Rubens Bonito
Sérgio Baroni
Sergio Mateus Squilanti
Servílio Batista (Servilinho)
Sidney José Pigatto
Sinézio Martini
Waldiney Peres (Diney)
Valter de Almeida
Walter Nicolucci
Zaíra de Genaro
.
Penna destacou o auxílio especial de Antonio Reginaldo Geiss e Moacir Torres.

Para supervisionar a obra e fazer a revisão fundamentalista, Penna elegeu Sérgio Mateus Squilanti, Walter Nicolucci, Bronislaw Antonys Drabek, Eliana Mattos, Dalva Andrade, Rubens de Campos Penteado e eu, Eliana Belo Silva.

Cederam textos para compor a obra: Admar Martini, Edjair Claro de Oliveira, Edgar Steffen, Rosália Pollimeni, Sergio Mateus Squilanti, Roberto Fagagnoli, Marcos Kimura e Eliana Mattos.

Digitaram os originais - porque Penna escreve com lápis -  os filhos do autor, Érico e Larissa.

Trataram as mais de 160 imagens do livro os profissionais Rafaela Giacomeli e Ediltom Monteiro da Silva.

Fez as vinhetas Ige D´Aquino.

Foram revisores Pedro Queiroz e Cecília Lorena.

Diagramação, fotolito e impressão da Rumograf - Gráfica e Editora Ltda.

Patrocínio cultural - sob a presidência de Antônio Reginaldo Geiss da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba, da Prefeitura Municipal de Indaiatuba, gestão do prefeito Reinaldo Nogueira Lopes Cruz.


Bom gente, com todo esse povaréu na lista de créditos, nada mais tenho a escrever a não ser repassar o convite do Penna para que todos os leitores desse blog compareçam no lançamento do livro.

E também... que leiam. Eu já estou na segunda leitura e recomendo.

Um comentário:

  1. Meu pai fala desse lugar, e do cinema rex, onde hoje é o Magazine Luiza.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES