BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Vale das Laranjeiras

Conhecido pela qualidade de vida, o residencial possui paisagem exuberante

Texto originalmente publicado na REVISTA EXEMPLO IMÓVEIS

Agradecimentos: Sr. Aluísio Williampresidente do Grupo AWR

Larissa Ferreirajornalista. 

As imagens e o texto deste post possuem créditos. Cite-os se utilizar para sua pesquisa.



Quem vai para o Vale das Laranjeiras começa a respirar natureza logo na entrada. As ruas e alamedas largas, ladeadas por árvores, são um convite ao lazer e prática de esportes. 

O loteamento surgiu no início da década de 1970, época em que o Vale era um extenso laranjal. As primeiras casas ficavam bem distantes umas das outras, sendo que algumas eram as únicas da rua. Era um território a ser desbravado, e um verdadeiro refúgio para quem buscava a tranquilidade e a beleza de um recanto junto à natureza. 


O imigrante português Cândido Azevedo Alves, proprietário da imobiliária que leva o seu nome, percebeu o potencial do Vale logo que chegou em Indaiatuba, em 1972. Ao adquirir os lotes, investiu na divulgação e rapidamente conseguiu compradores. "No início do empreendimento, meu pai chegava a trazer de São Paulo até dois compradores por dia", afirma Cândido de Matos Alves, o Candinho, filho de Azevedo e morador do Vale. 









Panfleto de 1974


Boa parcela dos moradores da primeira fase do residencial ainda pode ser encontrada, porém, nos últimos anos o perfil de quem vive no Vale mudou bastante. "No início, as pessoas vinham para passar o fim de semana; poucos moravam aqui", conta Maria da Conceição Silva, a ‘Conchita’,  moradora do Vale há 13 anos. 

Com o passar do tempo, muitos foram atraídos pelas características do local, visto como um oásis, distante do barulho e agitação da cidade grande. "Assim que coloquei os pés aqui, me apaixonei pelos flamboyants", relembra dona ‘Conchita’. "Hoje eles não existem mais - cederam lugar às vias asfaltadas", complementa.




                                                                                                                                                              








Interação e conquistas sociais


Com a chegada de novos moradores, desenvolveu-se naturalmente a integração entre os vizinhos e percebeu-se a necessidade de melhorias de interesse coletivo. Assim, em 1980, foi criada a Associação dos Amigos do Vale das Laranjeiras, tornando-se então um loteamento fechado. 

Para Candinho, "a criação da Associação trouxe mais conforto e segurança aos moradores; através dela conseguimos iluminação pública, vigilância, asfalto e como consequência houve significativa valorização dos imóveis".


A Associação não possibilitou apenas facilidades para os residentes do local, vizinhos tornaram-se amigos, que passaram a organizar frequentes festas e reuniões sociais.


"Na década de 1980, época de minha infância, costumávamos organizar a festa junina, e cada proprietário levava um prato.


Havia uma união muito bacana entre as pessoas, nos divertíamos muito", relata Candinho. Hoje em dia as festas no salão social do Vale são raras. 


Dona Conchita explica que as residências são projetadas para possuírem tudo o que as pessoas necessitam, e ninguém precisa mais sair de casa para atividades de lazer, fortalecendo o conceito de ‘ficar em casa’.



Em 2010, com novo estatuto, a denominação passou a ser Associação dos Moradores do Vale das Laranjeiras. Neste período, o residencial passou a ter um administrador, cargo ocupado por Vitorino Vargas. Com essas mudanças, o Vale ganhou o aspecto de condomínio fechado, embora não seja. 

             A partir de então, o ‘Seu Vargas’, como é conhecido de todos, coordenou todas as atividades do Vale, sendo o responsável pela administração geral e gestão dos contratos de serviços. "Trabalho com profissionais sérios e competentes, o que possibilita a boa realização das tarefas", afirma Vargas.   




Na gestão de Harold Bouillon, morador do Vale desde 2004, houve diversas melhorias, sendo a principal delas a construção do muro em torno do loteamento. 

Verde que te quero ver


Com uma área total de aproximadamente cem alqueires, o Vale possui três lagos circundados por vegetação variada, como a grama esmeralda e a planta maranta, espécie muito utilizada para a forração, pois apresenta uma combinação de cores variadas, entre os verdes claro e escuro, o branco e o prateado. 

O jardim e sua ampla variedade de espécies é um dos principais motivos de orgulho dos que lá habitam. A manutenção da área verde, que compreende roçagem, limpeza e cuidados com as plantas, fica a cargo da empresa contratada pelo condomínio.

Mini Cerrado                                                             


Em um cantinho do Vale das Laranjeiras, na Praça Cantanhede, está a vegetação do bioma do Cerrado, chamada de savana brasileira. O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, ficando atrás apenas do amazônico, e ocupa hoje 25% do território nacional, o que corresponde a 240 milhões de hectares. 



O Vale por seus moradores


Uma das iniciativas da Associação para aproximar os moradores do residencial foi a criação do jornal interno Frutos do Vale, publicação mensal interna com informações sobre realizações da administração, atividades organizadas por moradores, dicas de lazer, jardinagem, entre outros. 

O jornal publicou, na seção Vale em Trovas os versos abaixo, de composição de  Sonia Lodi, mãe da moradora Aline Ferle, que se deixou conquistar pelos encantos do local. 

O Vale das Laranjeiras


É bom despertar cedinho
com o canto da passarada.
Saímos do nosso "ninho"
já com a alma lavada.

Nas manhãs ensolaradas
ou à tarde, a qualquer hora,
crianças despreocupadas
brincam pelo Vale afora.

Enquanto o dia transcorre
há festa na natureza.
Tudo no Vale concorre
para exaltar a beleza.

Há aves em revoada
enchendo de som os ares.
Há flores, frutas douradas
alegrando nossos lares.

À tarde, à beira dos lagos,
depois dos nossos labores,
temos da brisa os afagos
e o aroma das flores.

É de sentir-se enlevado
contemplar das pederneiras
o pôr do sol alaranjado
no Vale das Laranjeiras.

Esse momento sagrado
predispõe-nos para a prece.
E sob o céu estrelado
o Vale todo adormece.

                   


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES

Quantas pessoas precisam receber um órgão doado?

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO