BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Sítio São Miguel

texto de Bernadete Ambiel

Maria Gut nasceu em Giswil, Cantão de Obwalden, Suiça, no dia 9 de julho de 1872. Veio para o Brasil como imigrante em 1881, indo morar na Fazenda Santa Maria, município de Santa Cruz das Palmeiras-SP. Em 1893, casou-se com Ignácio Ambiel, de nacionalidade suíça também e pertencente a família de fundadores de Helvetia. Ficou viúva em 1916, com onze filhos, todos menores, exceto Maria Emília com 22 anos, residentes em Helvetia.


Maria Gut Ambiel
(foto original de Bernadete Ambiel)

No período de 1900 a 1930, Helvetia consolida sua economia e desenvolvimento na cultura do café. Como consequência, muitas fazendas e sítios são adquiridos pelos imigrantes suiços e seus descendentes. Estas propriedades invadem os municípios de Indaiatuba, Monte Mor, Campinas, Valinhos, Vinhedo e Jundiaí. Dessa forma que Maria Ambiel Gut e seus filhos, com determinação, religiosidade e fé em Deus acima de tudo, além de manter a propriedade que já possuíam em Helvetia, tiveram a capacidade de adquirir em março de 1927 de Izacco Forti, casado com Luiza Forti e de João Forti, casado com Maria Forti, a Fazenda São Miguel, situada no Bairro Bentoca deste município, Comarca de Itu e freguesia de Nossa Senhora da Candelária.

A Fazenda São Miguel era constituída de oitenta à cem alqueires de terra, mais ou menos, dezoito mil pés de café entre novos e velhos, duas casas de moradia e duas para colonos, ranchos, tulha, paiol, 78 cabeças de gado, 30 porcos, 3 burros com uma carritela arreiada, 1 cavalo e 1 trole arreiado também e outras benfeitorias existentes.

O valor da negociação foi de duzentos e cinquenta e cinco contos de réis (Rs 255:000$000). A transação comercial foi feita com o termo “porteira fechada”, isto é, não se retira objetos ou utensílios existentes após o fechamento do negócio.


Registra-se que em fevereiro de 1926 os irmãos Forti, lavradores e domiciliados em Indaiatuba, compraram este imóvel de outros imigrantes suíços, João Ifanger Júnior, casado com Carolina Müller, e nele viveram por mais de uma década. O casal Ifanger constituiu uma família com nove filhos, sendo que os 2 menores, Paulo e Eduardo, nasceram nesta propriedade. Paulo em 1912 e Eduardo em 1917. Paulo, até hoje, em suas visitas ao sítio, entrando alegremente na casa, diz: “Esta é a casa aonde nasci!”.

Em abril de 1927, Maria Ambiel Gut pede para um dos seus filhos, Eduardo Ambiel, já casado com Josepha von Zuben, residir no São Miguel. Acompanhou Eduardo seu irmão Walter José, que por seis anos dedicou-se as duras lidas agrícolas neste chão.

Já em 1934, outro filho de Maria Ambiel Gut, Ignácio Ambiel Júnior, após ter se casado com Elza Bárbara Jührs, passa a residir também no São Miguel.

Os anos se passaram, as lutas foram muitas, o trato da terra sempre exigindo o suor e a abnegação destes irmãos, que ao longo do tempo sempre se refugiaram na fé inquebrantável. Contudo, constituíram suas famílias, sendo que de Eduardo nasceram treze filhos e de Ignácio, cinco, os quais, hoje, reservam para o São Miguel um cantinho especial em seus corações.

As responsabilidades assumidas por Eduardo e Ignácio eram compartilhadas com seus irmãos até 1953, quando Maria Ambiel Gut doa seus bens aos seus filhos: Maria Emília, solteira; Josepha Maria, casada com Luiz Emílio Bannwart; Constantino, casado com Cândida von Zuben; Cristina, religiosa da Ordem de São Bento; Lina Catarina, casada com Francisco Xavier Sigrist; Walter José, solteiro; Maria, casada com Léo Ming; Rosa, casada com Emílio Gut; José Arnaldo, casado com Maria Elisa Gut, em primeiras núpcias e com Dalva Marques em segundas núpcias, além de Eduardo e Ignácio.

Hoje, uma parte do São Miguel desmembrou-se em pequenas propriedades rurais, onde moram filhos e netos de Eduardo e Ignácio mais a Estância Santa Maria. E gradativamente, a outra parte restante transformou-se em loteamentos e condomínios fechados a saber: Jardim São Luiz, Jardim Dom Bosco, Vila Suiça, Jardim Alpes Suiços, Condomínio Residencial Solar dos Girassóis, Condomínio Portal das Acácias, Residencial Jardim da Villa Suiça e agora despontando o Maison Du Parc.

Para demonstrar a extensão da propriedade, enfatiza-se que as terras do São Miguel passavam pelo início do Parque Ecológico, alcançando os limites do cemitério velho da rua Candelária ao sul e ao norte o Jardim Morumbi.

Neste 81º aniversário do São Miguel, quero manifestar o meu reconhecimento e gratidão a minha avó Maria Ambiel Gut e filhos pela aquisição desta querida propriedade, carinhosamente, chamada de “Sítio São Miguel”. Homenageio também meus pais, Eduardo e Josepha, meus tios Ignácio e Elza, que por mais de sessenta anos viveram e preservaram, quase que integralmente, a herança recebida. Expresso grande admiração aos que trabalharam e ainda trabalham nestas terras, especialmente ao meu irmão João Tadeu, que ainda hoje lavra um pedaço deste chão abençoado por Deus.

Testemunhando todas estas mudanças e fatos descritos permanecem, passivamente, suas mangueiras centenárias e majestosas que guardam muitos segredos e contam muitas histórias... histórias do Sítio São Miguel...


.....oooooOooooo.....

* texto originalmente publicado no livro "Um Olhar sobre Indaiatuba (2)" da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba (à venda no Casarão do Pau Preto).

BIBLIOGRAFIA

1- “A Memória Histórica de uma Comunidade Revela a Identidade de sua Gente”- Helvetia 100 anos de Brasil-1988.

2- Documentos Cartoriais da Comarca de Itu.

3- Fragmentos de Memórias- Henrique Ifanger- 2004.

4- Memórias de um Filho da Colônia Helvetia no Brasil-Indaiatuba-São Paulo; Pe. Polycarpo Amstalden- Ordem de São Bento.

5- Minha Genealogia de São Nicolau von Flüe até Bernardete Ambiel; Pesquisa e Desenhos de Delfino F. Bannwart.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES

Quantas pessoas precisam receber um órgão doado?

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO