BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Escola Dom José (2)

A imagem deste post foi cedida por Wayne Möller e retrata os alunos da Escola Dom José no início da década de 1970. Alguns alunos estão totalmente identificados, outros apenas parcialmente e alguns Wayne não se lembra mais. Se você reconhece algum dos estudantes, ou ainda sabe completar o nome de algum(ns) dele(s) a partir das "dicas" de Wayne, contate elianabelo@terra.com.br
São eles:

1- Júlio César (Catatau) 3- Wayne Möller 4- Paulo R. Luchetta 6- (?) Colega que morava em Cardeal 8- Sandra 9- José Roberto Bisso 10- Marco A. Zoppi 11- Renato Zaghi 12- Roque 13- Cláudio Baldini 14- Colega que morava Helvétia (genro Agenor Campregher) 15- Mário 16- (?)Aluna com sobrenome D'Albó 18- Yuri (de Itaici) 19- Rosmari 20- José P. Canavesi 22- Siegfried Ruesch 23- Walter (Lig-Bem) 25- Martinha (?) 26- Nome esquecido (casada com o Profeta) 27- Durvalina

29-Aluna com sobrenome Marachini 30- Maria Aparecida Beccari 31- Emília (?) (de Helvétia)

32- Paulo Roberto Santos 33- Nobuhira 34- Rubinho Vieira 36- Neuza (casada com Cláudio Banwart) 37- Aluno de Helvétia 38- Robson Hackman

Wayne Möller informou que essa turma cursava a primeira série ginasial na época da foto, o equivalente ao 6º ano (5ª. série) do ensino fundamental atual. Muitos alunos não moravam nas proximidades da escola, vinham da Helvetia, de Itaici – como ele - e até de Cardeal. Na época – no auge da ditadura militar – o maior interesse dos alunos - fora do cotidiano - era a copa de futebol do México, que ele conta ter assistido “obsessivamente e pela primeira vez, uma transmissão ao vivo de uma copa do mundo”.

Fora essa novidade e também por consequência do próprio período, o ambiente estudantil era “comum, com brincadeiras e conversas altas entre os extrovertidos e o silêncio ou a voz baixa, nos cantos solitários, dos mais tímidos”. “De bom”, ele diz, “havia a música”, principalmente àquelas dos festivais da Rede Globo (FIC). Uma delas serviu de inspiração para “homenagear” sua bicicleta: a música "A Charanga" defendida por Wanderléa, foi entoada por suas colegas - à revelia do interessado é claro – que partiu com a magrela “referenciada” pelo coral estridente, rapidamente após a performance, envergonhado e querendo se distanciar do pátio da escola o mais rápido possível, mas reconhecendo que a “homenagem foi justa”.

Dos professores, Wayne lembra-se de Neuza Ifanger e a descreve com reconhecida (segundo ele próprio) influência hippie-americanizada: “longos cabelos louros, sua minissaia, seu rosto angelical...” Já a professora Elvira, entrava e saia falando francês, em “performáticas aulas”... onde “fazia-nos repetir tudo o que falava”. O vocabulário era restrito, mas “algumas palavras e frases em francês foram gravadas e posso dizer que até permanecem em meu inconsciente, graças a esse método. Ce matin, Je parle français? Bonjour, Avec moi, comment ça va?, ça va?, Je ne sais quoi etc.”. “Orgulhava-me de ouvir a mim mesmo quando consegui dizer sem tropeços. Seu entusiasmo e ênfase me provocavam admiração. Fico só nessas duas professoras, por falhas de memória ou por inexplicável fixação que só os psicanalistas podem elucidar”.

E ao comentar suas lembranças, doar essa imagem (e outras que serão postadas futuramente neste blog), Wayne termina escrevendo sobre reflexões que todos nós fazemos, e por isso faço questão de aqui registrar e compartilhar: “O que foi feito de mim? O que é o tempo? Por que ele passou?”

3 comentários:

  1. Meu último post, chamado Passado e Presente, fala um pouco disto.
    Lendo este texto, claramente eu revivi, minha época,em outra cidade.
    Na verdade, o tempo foi igual para todos da geração.
    Eu ainda tenho guardadas estas pessoas e lembranças.
    O tempo passou, mas eu fiz algo muito bom para mim e para os que viveram comigo: Guardei e deixei saudades.

    ResponderExcluir
  2. Meus avós tão ai, Neuza, e Siegfried

    ResponderExcluir
  3. Meus avós tão ai, siegfried ruesch, e neuza

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES